segunda-feira, 3 de junho de 2013

Sobre o que há aqui dentro



Acordei, escolhi a roupa que já estava jogada no puff, usada. Não queria pensar em outra combinação. Não queria pensar, na verdade.
Olhei-me no espelho, sorri, lavei o rosto, escovei os dentes, olhei pra mim, to triste, mas preciso achar uma saída  Vou achar. Sempre acho.
Atravessei a cidade, tava frio. Pensei em vc, vi aqueles mesmos lugares no meio do caminho, passo por eles como se fosse encontrar algo ali. Não encontro. Não quero esquecer. Preciso esquecer. O vento gelado vai dando tapas na minha cara, não sei por onde começar a arrumar a bagunça daqui de dentro, não sei se era mesmo pra ser assim.
Chego no trabalho e mudo de humor a cada duas horas, religiosamente. Sinto saudades.
O tempo passa e me esmaga, sei que daqui quinze dias mais nada disso aqui vai me restar, vou partir pra longe, vai ser bom, eu sei, mas vai doer também... Ter que fechar essa porta e mergulhar mais uma vez no desconhecido. Tenho medo, finjo não ter. Muito medo.
Vou deixar tudo pra trás, o que eu senti vai ficar.
Lembro do seu olhar, sinto uma fisgada.
Ainda da tempo de fazer minha alma do tamanho do mundo pra que possa ter valido a pena?
Imagino como vai ser o seu ultimo olhar. Vai ser só um olhar? Vai acontecer ou será que ja aconteceu? Sinto outra fisgada.
Minhas costas doem. Tenho que estudar para as provas. Tenho que sobreviver. Tenho que acertar minhas dividas. Resolver os impasses da faculdade. Mandar curriculos. Preciso de um emprego, mas não é nada disso que me aflige de verdade. Deveria ser, mas não é. 
Não vou mais te ver. Não vou mais te encontrar no elevador ou no corredor ou do lado de fora nem em lugar nenhum. 
Minha esperança morre aos pouquinhos, me tortura.
Tenho que cuidar de mim. Tenho que achar meu equilíbrio.
Ninguém vai saber ou entender o que isso significou pra mim, ninguém precisa saber.
Tento não pensar, tento me distrair dessa incerteza opressiva, tento desesperadamente me agarrar a algo que possa trazer qualquer luz. Respiro.

Na volta pra casa o ar frio da Av, Paulista e mais uma fisgada, um dia no final. Há 3 meses atrás isso era tudo o que eu queria, e pensar assim me deixa pequena. Mudei e tropecei e então vi tanta coisa que já tinha feito... Mais um dia se passou rápido e triste. No metrô choro em silencio, não sei o que eu fiz e muito menos o que fazer, não queria esquecer ou dizer tchau. Preciso dizer.




* Queridos, nosso blog agora tem página no Facebook! Dá um curtir por lá ;D 

7 comentários:

  1. Uma duvida que sempre tenho aki... post ficção ou real?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mais real do que eu gostaria que fosse :(

      Excluir
  2. São Paulo é perfeita pra sentir tristeza e saudade, a megalópole indiferente e dura aos nossos erros
    ao arrependimento....

    ResponderExcluir
  3. Já Compartilhei essa mesma tristeza. Tudo se torna tão vazio, tudo faz com que você relembre os momentos bons.
    É um sentimento triste MUITO triste.

    ResponderExcluir
  4. Sobre o que há aqui dentro ( de mim): Mas que blog interessante! Acabei de descobri-lo! Vou vasculhar,pois sinto que irei encontrar postagens que vão me fazer pensar: é isso mesmo o que eu penso! Tomara que eu esteja certa.

    Beijos. ;)
    Seguindo.

    www.amantesdiamantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Pooooxan,eu comentei aqui,mas nao ficou o comment. Era algo tipo assim:

    Sobre o que há aqui dentro (de mim): Que blog é esse,hein? adoro essa ousadia! haha
    Sinto que me identificarei com algumas postagens daqui,vou já vasculhar.

    Beijo.
    Seguindo!


    www.amantesdiamantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Ah tá,acabei de ler o "seu comentario estará visível depois de ser aprovado",por favor,considerar só o primeiro comentario,ta bom?

    Thanks ;*

    ResponderExcluir

Comenta aew! :)

leia também...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...